Devocional -Mananciais no DESERTO {Julio 27}

 

Mananciais no Deserto

Nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. (Gl 5.5.)

Há momentos em que tudo nos parece muito escuro — tão escuro que temos de esperar até mesmo a esperança. Esperar já não é agradável, mesmo tendo esperança. A demora em se realizar uma esperança nos faz sofrer; mas esperar a própria esperança, não ver nenhum lampejo no horizonte, e contudo recusar o desespero; nada ver ante a janela senão noite, e contudo conservá-la aberta para um impossível aparecimento de estrelas; ter um lugar vazio no coração e contudo não consentir que o ocupe uma presença inferior — nisto consiste a maior paciência do universo. É Jó na tempestade. É Abraão no caminho de Moriá. É Moisés no deserto de Midiã. É o Filho do homem no jardim do Getsêmani. Não há paciência mais difícil que a do que fica firme, “como quem vê aquele que é invisível”: é a espera pela esperança. Tu, Senhor, fizeste bela a espera; Tu fizeste divina a paciência. Tu nos ensinaste que a vontade do Pai pode ser recebida, simplesmente porque é a Tua vontade. Tu nos revelaste que uma alma pode ver no cálice apenas tristezas, e contudo tomá-lo, sabendo que o olho do Pai vê melhor do que o seu. Dá-me esse Teu poder divino, o poder do Getsêmani. Dá-me o poder de esperar pela própria esperança, de ficar olhando pela janela, embora não haja estrelas. Mesmo que se afaste a própria alegria que me foi dada, concede-me o poder de ficar invicto no meio da noite e dizer: “Aos olhos de meu Pai ainda deve haver razão para alegria.” Alcançarei o clímax da força, quando tiver aprendido a esperar a esperança. — George Matheson Esforce-se para ser um daqueles — bem poucos! — que andam na terra com a consciência vivida de que o desconhecido que os homens chamam de Céu está “ali mesmo atrás da cena visível das coisas”.

Caminhem com o REI

ESTABLISHED 1856

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *